O 14-Bis: 106 anos desde a sua criação


Voar é sonho de toda a humanidade. Imagine só como seria divertido enxergar o mundo de lá de cima e sobrevoar vários lugares.

Alberto Santos-Dumont, mineiro nascido em 1873 na cidade de Palmira (hoje Santos-Dumont), também sentia esse fascínio pelo que transitava no ar. Ainda jovenzinho (em 1888), avistou um balão no céu e resolveu que seria um construtor de balões.

Três anos depois, em viagem com o pai na França, conheceu o Palácio da Indústria, onde se deparou com um motor movido a petróleo. Foi então que lhe veio a ideia que aquele tipo de motor também serviria para ser utilizado em um balão.

Santos-Dumont construiu seu primeiro balão e o batizou de Brasil. Seu volume era de cerca de 113 m³, enquanto que os outros balões tinham de 500 a 2000 m³. O Brasil era revestido com um tipo de seda mais leve e, ao mesmo, tempo mais resistente.

Com tanta inovação, era de esperar que Alberto Santos-Dumont conquistasse oprimeiro prêmio da aviação – o Deutsch de la Meurthe, oferecido por um empresário que tinha esse nome. Para vencer, o piloto teve que, partindo do campo de Saint-Cloud, contornar a Torre Eiffel e retornar a ele em 30 minutos. Santos-Dumont completou a prova em seu Dirigível nº 6.

Mas Dumont não estava plenamente satisfeito. Continuou a buscar desafios. Em 12 de novembro do mesmo ano, ampliou sua distância de vôo de 60 para 220 metros, o que lhe rendeu novamente outro prêmio, dessa vez vindo do Aeroclube da França.

A cada prêmio, parecia que seu desejo de vencer novos desafios aumentava. Ele percebeu que seria interessante diminuir o tamanho de sua máquina e, um ano depois do primeiro vôo com o 14-bis, começou a construir o Demoiselle, um avião que pesava 56 quilos, tinha 8 metros de comprimento, e conseguia percorrer até 20 km a cada vôo.

Você sabia?

Os irmãos norte-americanos Wilbour e Orville Wright reivindicaram a autoria da invenção do avião. Eles alegaram ter levado ao ar um objeto semelhante – o Flyer – em 1903. A questão gera controvérsias, mas estudiosos, entretanto, afirmam que o vôo dos irmãos Wright aconteceu em 1908 e, mesmo assim, com a ajuda de uma catapulta. Santos-Dumont pôs a máquina brasileira no ar em 1906 utilizando-se dos próprios mecanismos do avião, sem qualquer ajuda externa.

Fonte: Força Aérea Brasileira